Onde estas tu?

 

 

Ao caminhar por estes becos que me fazem sentir o frio de tua ausência,

 a alma grita te chama ecoa a voz no nada

 

Ai esta dor que domina minhas entranhas deixa-me alucinado a procurar em vão por teus lábios.

 

Ai esta alucinação de ter tua pele a roçar a minha de sentir o calor de teu corpo

 e ver-me dentro de teus olhos e sentir-me dentro dos céus.

 

Nas manhas agora sem sol, nas tardes sem romance, nas noites sem estrelas

 

Tomo o fel da despedida no cálice do descaso a que me ofereceste

 e entrego-me ao manto impiedoso da solidão

 

Sem você agora fecho as cortinas do tempo, encerro o sorriso,

faço piro de lagrima solitária, arvore agora que vê folha a folha

cair como se um outono eterno domina-se por fim meu

viver.

 

Não te vejo, mas em meus jardins agora sem a cor não te vejo mais perto de mim,

agora sozinho sinto-me esquecido e a dor domina minha essência

 

Ah amor ah amor por um instante destes tudo e em outro me retira tudo ah amor bandido este...

 

 

Cristal Solitário