Medos

 

Toma-me de sobressalto, leva meu sorriso,

 

 transforma meus sonhos em dúvidas.

 

 Assombra minha alma, tropeça em meus encantos,

 

deixa meu mundo nublado.

 

Medos do dia que vem, sem saber o que me espera,

 

medo das mentiras que formulei por medo de perdas e frustrações.

 

Ah! Medo este que me atormenta, vem com o tempo lança-me as primeiras

 

marca na pele mostra-me duramente que o tempo passou...

 

Como é duro e carrasco este sentimento, esta sensação que nada possuo,

 

que tudo é efêmero e tudo pode me ser tomado.

 

Este medo que lá na frente me encontrar com a própria morte senhora

 

absoluta a vencer-me certamente.

 

O medo de deixar coisas inacabadas, pagina em branco, o de ir e não ter

 

vivido totalmente o doce do amor a mim apresentado...

 

Como posso livrar-me deste fantasma?

 

Desta coisa que atormenta meu ser, toma de mim o trono e reinado, e

 

transforma-me em menino assustado, 

 

solitário a caminhar entre os becos da vida.

 

Porque este medo me faz isto?

 

 Colocando em meio a meus jardins, a insegurança e pensamentos

 

estranhos...

 

 

Cristal Solitário