-----
 
 
 

 
 

 

 

Átrio...

 

Átrio já sujo pelo sangue pisado em espasmos insanos

Perseguidos que se lançam peregrinando

os próprios insultos

Que perdem a semeadura

que antes esperava fecundidade

Ah Traição...

 

Força motriz que move os mais vis instintos humanos

Ah! que me traem nos momentos em que desesperaste

Do homem que tanto se espelha

a própria materna idade

Que me lançam às cobras que um dia amparei hastes...

Ah! que me traem o filho da mãe e o amigo,

 a irmã do ente,

Que me trai o trabalho contra o atado,

que me crucificaste.

A dor lacerante, o tio de bigode;

e o chicote do valente...

Que me trai o homem da vida, o que me secou ferida,

Que me trai num instante.

 No lapso de um suspiro, você...

Só não me trai o homem de branco

e o pai da minha vida!

 

Cristal Solitário

Poeta dos Sonhos