CHAMEI...

 

 

Entre becos escuros gritei, entre rochedos impenetráveis tentei me

 

esconder, enfrentei todas as forças, debrucei frente as minhas  lagrimas

 

Nas noites que me eram carrascas,

 

fechava meus olhos esperava por ti, pedia pro tempo não ser tão duro,

 

 mas ele vinha e deixava sua marca profunda.

 

Nas manhas, quando me via na cama sozinho a pele sedenta por ti,

 

lembranças deste amor que veio, me fez grande e derrotou-me em seguida.

 

Ah! Difícil era enfrentar este tempo sem ti, caminhar frente ao vazio, não

 

ter certeza do amanha temer não ter braços a se entregar no derradeiro instante.

 

Fiz de meus pensamentos meu companheiro, dos pássaros meus ouvintes,

 

da lua minha amante, do sol meu confidente e buscava no vento, a forma de

 

levar de mim o medo de jamais ter-te novamente...

 

Mas, este tempo que me fez aluno na dor, preparava-me para tudo e no

 

passar de seus servos, as horas fazia-me este cristal solitário, entregando-se

 

pouco a pouco ao fim,, mesmo assim você não voltava, você não me via

 

você se auto enganava!

 

 

Cristal Solitário

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Livro de Visitas
Menu Poesias