Madrugadas

 

Sem rumo, percorro lentamente alamedas e ruas.

 Os pensamentos vão ao encontro de tua imagem,

a lembrança de nossos diálogos, de nossa alegria, da comunhão de vidas que pareciam feitas gêmeas e  nada poderia separar.

Hoje, ao caminhar na noite, atravessar a madrugada sentindo o sereno dos solitários, o frio da morte com as lagrimas na face paro frente ao grande oceano e grito por teu nome na esperança de olhar para trás e ver-te, abraçando-te e beijando-te, entregar-me de vez a você.

Mas quando viro nada vejo... as lagrimas se fazem, subo ao carro, olho para trás e lá está sua majestade, o mar, a dizer-me:

- Volte amanhã, quem sabe...

Assim continuo minha caminhada.

Agora, a volta para o castelo vazio, a cama antes quente com nossos corpos, tudo em compasso de espera eterno, afinal, tudo ao nosso redor conviveu com o amor...  assim fomos felizes.

Hoje, me resta a lua, o oceano e logo vem o sol. Ele me fará ter esperança nas madrugadas frias ou em dias quentes, haverá de surgir meu anjo picante.

 

Cristal  Solitário

 

 

 

Tutoriais Denise Worisch

www.pspcyber.com.br