Grito que ecoa

Se um dia me fostes  sombra aonde poderia procurar abrigo hoje me é o

 

espinho a penetrar em minha carne e dilacerar minha alma

 

Seu um dia te fui o sol oferecendo-te calor hoje és tu pedra de mármore fria

 

Se Te fui a lua a te apresentar noites de magia e encanto tu és as trevas e tentar apavorar-me

 

Se te fui alimento da alma e da carne tu és agora aquele que  tenta tirar os grãos

 

Se te fui mestre ao ensinar-lhe os instrumentos para tuas conquistas materiais hoje tu és aluno desgarrado esquecendo que tudo  foi através dos tempos tendo a frente o exemplo maior de amor

 

Se te fui amante a saciar teus desejos mais íntimos hoje tu és o carrasco a não permitir meu reencontro

 

Se fui em tua trajetória fonte de amor tu és hoje a ingratidão

Se te dei teto lar carinho amor respeito e posição hoje tua és o que usurpa meu direito a tudo isto

 

Mas  mesmo com tua ira sem sentindo continuo sendo quem sou e mesmo que desça ao tumulo frio em tua alma deixarei a marca de quem és

 

Cristal Solitário

 
 
  
 

 

   
 
 

Livro de Visitas
Menu Poesias
Próxima Poesia