O pior dos farsantes

 

Adentra a minha intimidade, faz ninho entre meus lençóis abusa de minha confiança, brinca de faz de conta

 

Grita ser diferente fala em nome da integridade promete-me amor diz que vai levar-me a ver novos horizontes

 

Divide comigo segredos senta-se à mesa de fé  desenha  nova vida diz apagar um passado a não ser lembrado

 

Repugna a vulgaridade, condena o sexo sem amor

 

Diz jamais abandonar-me se faz senhor em meu mundo domina a minha vida a cada minuto e eu já sem fala gritava a pedir companheirismo

 

Sai como covarde pela porta que te recebeu não deixa nada de material para trás

 

e carregam seus baús agora pesados os mesmos antes vazios

 

Dispensa o diálogo lança-se aos ataques de baixo nível intelectual frases incontidas loucuras expressas

 

e em  horas se lança novamente aos braços daquele que criticava dizendo que era alguém sem alma

 

Afinal quem sóis vos sois o dono da maldade aonde esta teus conceitos de respeito humano, ide, voltai a tua insignificância

 

 

 

Cristal Solitário