ESPELHO

 

 

Enfrento-te! 

 

Deparo-me com uma face marcada pelo tempo, que me foi senhor impiedoso.

 

Mostra-me de maneira absoluta, a verdade que não pode ser escondida.

 

Levou de mim a juventude, os dias em que a pele era alva, límpida, doce, macia, suave...

 

Deu-me a segurança, os bens através do labor que me apresentastes, e enfrentei!

 

Fiz das noites que me oferecias,  noites de estudo de um trabalho incontido, dedicação, e dos dias, a continuação.

 

Horas se foram, sem sentir o sabor das delicias oferecidas, que tomava distância,

 

 jogando-me em tarefas que me fariam homem, sem

 

medo de enfrentar o futuro.

 

Pensei tanto nos dias por vir, que me esqueci de mim, cuidei de família,

 

criei filhos, fiz castelos, me tornei responsável por

 

vários operários!

 

Nas letras, busquei o conhecimento maior, e aos poucos galguei a tal segurança...

 

Perdi nestes anos que se foram, e quando me preparava para a entrega absoluta, por cansaço e descrença,

 

 joga-me a frente um grande amor...

 

 O maior deles...

 

 E agora?

 

 Como buscar o que me tirastes?...

 

 

Cristal Solitário